A Política Monetária e sua Importância na Economia do País

Política Monetária
5
(6)

A Política Monetária é um termo da economia que muita gente não se atenta, mas que é completamente importante para entender como vai o mercado. Tudo envolve essas duas palavrinhas, desde os juros do cartão de crédito, até o preço que você paga no pão da padaria. Sendo assim, é fundamental conhecer e saber do que se trata.

Para ter uma ideia de como a economia é controlada, imagine que em um determinado mês as suas finanças saíram do controle. Entenda-se que você tenha recebido menos do que esperava, ou que aconteceu algum imprevisto ou até mesmo os boletos chegaram e você não tem dinheiro para pagar. Um caos.

Tendo isso em mente, agora imagine que isso esteja acontecendo há vários meses. O desespero seria muito maior não é mesmo? Quando as contas ficam desequilibradas é exatamente isso que acontece em todo o país. Por isso, é essencial controlar as contas e ter equilíbrio com o dinheiro que está em circulação.

Esse controle é essencial para evitar que a inflação saia de controle e que os juros aumentem de forma exponencial. Para isso, é o Banco Central quem controla a bola de neve e mantém o caos em ordem. Para entender melhor quais os objetivos dessa política, continue lendo.

Índice:

Leia também:

14 Estratégias para ensinar Educação Financeira para Crianças

O que é PIB: a métrica da prosperidade econômica nacional

Transforme sua ideia em realidade: 8 etapas para começar um negócio do zero

Entenda o que é Política Monetária

O governo é responsável por se organizar financeiramente, levando em consideração os gastos, investimentos, e assim, mapear todos os valores que entram. Essa organização é chamada de Política Monetária.

Política monetária convencional

De forma prática, se trata de um dos pilares da política econômica que atua no controle do dinheiro que circula no país. Sendo assim, todas as vezes que o governo realiza alguma ação para colocar as contas em ordem, o intuito deve ser de evitar problemas maiores, ou de não colocar a economia em risco.

Os principais problemas a serem enfrentados são:

  • Desemprego;
  • Inflação alta;
  • Compras em baixa;
  • Falta de circulação no mercado;
  • Excesso de cidadãos endividados, etc.

E para que tudo isso siga em equilíbrio, a política foi criada. Contudo, ela é parte de três principais pilares. São eles:

  • Política Fiscal – que envolve o valor dos orçamentos. O início da organização quando é necessário saber o que entra de receita e o que sai de despesa. Como é o governo que faz esse controle das próprias contas, tudo é orçado por ele.
  • Política cambial – está relacionada com as negociações feitas entre o Brasil e outros países. É o jeito que o país tem de administrar as moedas estrangeiras no câmbio.
  • Política Monetária – esse tipo de política é responsável por controlar o dinheiro do país. Sendo assim, ele precisa se manter em equilíbrio para não ser demais, aumentando os níveis de consumo, e nem de menos, com o aumento da inflação e consequentemente, dos juros.

Cada um desses pilares formam a política econômica e dizem respeito sobre um tipo de aspecto da economia. Sendo assim, para entender melhor, basta associar que o dinheiro circulando de forma equilibrada acontece graças a função dessa política.

Porque é importante controlar o dinheiro que circula?

Dentre uma das principais regras da economia, ter dinheiro em excesso circulando, afeta o preço dos produtos e serviços mais básicos do dia a dia. É um fator conhecido como lei da oferta e da procura.

Política monetária não convencional

Imagine que muitas pessoas tenham condições de comprar um determinado produto e a busca é alta. Contudo, o número de produtos é limitado. Dessa forma o preço sobe. Mas em contrapartida, se houver pessoas que não queiram pagar o seu valor e desistem, e os produtos começarem a sobrar pela falta de interesse, os valores descem.

A circulação do dinheiro funciona mais ou menos do mesmo jeito. Quando há muito dinheiro disponível, as pessoas consomem mais, então, a oferta é baixa e consequentemente os preços sobem. Esse tipo de efeito é chamado de inflação.

Quando há pouco dinheiro circulando o resultado também é nocivo para a economia. Por isso, o ideal é manter um ponto de equilíbrio na economia, já que o baixo consumo resulta em pouca liquidez. Ter menos dinheiro em circulação faz com que as pessoas tenham, muitas vezes, que pegar empréstimos para pagar o consumo.

Tendo uma visão mais ampla, se torna uma situação em que muitas pessoas precisam de crédito e os bancos elevam os juros. E vira uma escada para o caos inicial que foi mencionado no começo do artigo. Mais juros, mais inadimplência, menos consumo, menos venda, menos produção, demissões, etc. É um ciclo que acaba com a economia.

Como funciona a Política Monetária?

Como dissemos, o Banco Central é a instituição responsável por lidar com a Política Monetária. É ele quem precisa manter o dinheiro em circulação, em equilíbrio e com isso, deixar a economia do país equilibrada e sustentável.

O controle é realizado através de diversas ferramentas que mostram dados e elaboram metas, para traçar os planos a serem seguidos. São muitas contas para organizar. Sendo assim, o primeiro ponto é levantar todas as informações necessárias para entender a atual situação e então, como ela será resolvida.

Política monetária expansionista

Esta política é definida a partir dos dados que são estudados e assim, novas metas estabelecidas para manter o país nos eixos. Esse primeiro diagnóstico é fundamental para encontrar o lugar das contas e começar o pagamento das dívidas. É bem semelhante a colocar as contas de uma pessoa em dia. Mas nesse caso o investimento pode ser muito maior.

Qual a relação entre a inflação e a Política Monetária?

Quando a inflação sobe, os preços dos serviços e produtos, e de tudo o que é vendido também sobe. Contudo, quando existem oscilações de preços de forma constante, a previsibilidade para as empresas, pessoas e também para o país, desaparece.

Sendo assim, o Banco Central avalia que manter a inflação em baixa, deixa toda a sociedade muito mais beneficiada e estável, devido a previsibilidade. Com isso, a economia do país consegue crescer e as pessoas também conseguem visualizar melhor o futuro com investimentos, etc.

Em resumo, quando os preços se mantêm estáveis, é possível planejar e investir com um planejamento financeiro detalhado. Dá para ter controle do que se pode gastar, e do que se pode investir, isso tanto para pessoas físicas, quanto para empresas. O mercado consegue assegurar mais ofertas de emprego e os investidores ficam mais seguros de seguir investindo.

Taxa Selic

A Taxa Selic é uma das maiores ferramentas da Política Monetária, principalmente por guiar as demais outras taxas. A taxa básica, ou taxa mãe, é responsável por regular juros de cartão de créditos, rendimentos, empréstimos, investimentos e tudo o mais que assola a economia.

A cada 15 dias, o seu valor é definido pelo Comitê de Política Monetária (Copom), no Banco Central. Os indicadores responsáveis por aumentar ou diminuir a taxa de juros, envolve a Taxa Selic.

Política Cambial

Portanto, quando o valor da inflação está alto, o Banco Central precisa aumentar o valor da Taxa Selic, para que a economia dê uma desacelerada. Com isso, as pessoas compram em menor quantidade devido aos juros mais elevados. E quanto o consumo cai, a inflação também cai.

No momento em que se tem uma inflação controlada, não existe mais necessidade de continuar com juros altos. Então o Banco Central diminui e o consumo volta a ser estimulado. Mas vale ressaltar que existem efeitos para as alterações da Taxa. Além disso, essas alterações não indicam que a inflação vai mudar de valor rapidamente.

Quais são os tipos de Política Monetária?

O principal intuito da Política Monetária será sempre de controlar a moeda no país, manter a economia em equilíbrio, controlando a inflação. Entretanto, esse caminho pode ser seguido de 2 formas distintas. O Banco Central, geralmente age para aumentar ou diminuir a oferta da moeda. E com isso, existem dois modos de fazer isso:

Política Monetária expansionista

Nesse tipo de Política, o Banco Central realiza uma série de ações com intuito de aumentar a liquidez na economia do país. A função principal dessa atitude é aquecer a economia. Ou seja, permitir que o povo tenha acesso a crédito de forma barata e isso gere maior consumo, já que os preços estarão mais atrativos.

Entretanto, no caso da Política Expansionista, entram outros índices como é o caso da Taxa Selic. Com isso, a compra de títulos públicos ou crédito para bancos, reduz a taxa do depósito compulsório, que é o percentual que os bancos pagam em cima dos valores que são depositados.

Inflação

Política de restrição

No caso da Política Monetária restritiva, as ações do Banco Central são feitas para esfriar a economia ao invés de aquecer. Dessa forma, o objetivo é diminuir o consumo. O intuito de reduzir o crescimento do país diz respeito a necessidade de controlar a inflação. Por isso, essa é uma atitude que acontece quando a inflação sobe além do esperado.

Frente a um acontecimento desse tipo, o Banco Central precisa aumentar a taxa de juros e com isso deixar o crédito mais caro, para mais tarde reduzir o crédito novamente. Durante esse processo, é preciso vender títulos, diminuir o crédito dos bancos, aumentar o redesconto e do depósito compulsório também.

Como a Política Monetária afeta a nossa vida?

Existem inúmeras consequências para uma Política Monetária mal equilibrada. Além das variações descontroladas de preço dos juros, o crédito também fica mais caro, e o consumo não segue um padrão.

O Banco Central que é responsável por esse equilíbrio afirma que a Política Monetária é a responsável por decidir o quanto a sua família ou empresa vai consumir do mercado. Quais serão os preços pagos nas prateleiras, nos investimentos e nos créditos.

Uma das principais consequências da falta de equilíbrio é a alta da inflação, que afeta diretamente o consumo do cidadão, assim como seus investimentos. Ter uma Taxa Selic alta, melhora os juros de rendimento, mas afeta os juros de crédito, financiamentos, etc. E como isso torna os investimentos das empresas mais caros, os preços do mercado sobem também.

Entretanto, a Renda Fixa pode se beneficiar com esse cenário. Já que quem investe dinheiro quando os juros estão altos, consegue obter maior rentabilidade de juros compostos e consequentemente continuar consumindo. Mas esta também é uma maneira de reduzir a circulação de dinheiro na economia, já que a renda fixa oferece rentabilidade de médio a longo prazo.

Preço do crédito

Por se tratar de taxas que influenciam todo o cenário econômico, a Política Monetária está diretamente atrelada ao preço do crédito que é oferecido no mercado. Sendo assim, quando as taxas sobem, o preço do empréstimo fica mais caro também. Com juros mais elevados, o consumo diminui, assim como o número de empresas que investiria para de crescer.

Lei da oferta e da procura

Ter essa visão de que os índices de juros sobem e descem, conforme a política define, é essencial para acompanhar a economia e descobrir quais são os investimentos mais atrativos para o momento. Tudo isso consegue estimular o consumo e volta a aquecer a economia.

Taxa de câmbio

Sobre a variação do dólar, a política só afeta aqueles que viajam para fora do país. Mas é importante ressaltar um ponto: quando as taxas de juros se elevam, o Banco Central também reduz a quantidade de circulação do dinheiro.

Com menos dinheiro circulando, a moeda se valoriza e nesse caso, o dólar baixa de preço. Pode acontecer duas consequências nesse cenário. O primeiro caso é que o preço dos produtos internacionais também cai, em se tratando de produções internacionais, o que é fabricado com estes itens também fica mais barato. Mas com o dólar mais baixo, as exportações diminuem, e o preço interno aumenta para mais importação.

FAQ – Perguntas frequentes sobre Política Monetária

Como funciona a Política Monetária?

A Política Monetária é um conjunto de ações tomadas pelos bancos centrais para controlar a oferta de dinheiro na economia e influenciar as taxas de juros para atingir seus objetivos de estabilidade econômica e controle da inflação.

Quais são os tipos de Política Monetária?

Existem vários tipos de Política Monetária que o Banco Central pode usar para controlar a oferta de dinheiro e influenciar as taxas de juros. Alguns dos tipos mais comuns são:

  • Política Monetária expansionista: é usada para aumentar a oferta de dinheiro e estimular o crescimento econômico. O Banco Central pode reduzir as taxas de juros para encorajar os empréstimos e aumentar o investimento.
  • Política Monetária contracionista: é usada para reduzir a oferta de dinheiro e controlar a inflação. O Banco Central pode aumentar as taxas de juros para tornar o empréstimo mais caro e desestimular o consumo e o investimento.
Política monetária contracionista
  • Política Monetária convencional: é a forma mais comum. O Banco Central usa as taxas de juros como sua principal ferramenta para controlar a oferta de dinheiro.
  • Política Monetária não convencional: é usada em situações extremas, como recessões profundas ou crise financeira, quando as taxas de juros estão próximas de zero. O Banco Central pode adotar medidas não convencionais, como a compra de títulos do governo ou de outros ativos financeiros para injetar dinheiro na economia.
  • Política Monetária de metas de inflação: é usada para alcançar uma determinada taxa de inflação em longo prazo. O Banco Central estabelece uma meta de inflação e ajusta sua Política para atingir essa meta.
  • Política Monetária de taxa de câmbio fixa: é usada para manter a taxa de câmbio de uma moeda em um nível fixo em relação a outra moeda. O Banco Central pode comprar ou vender moeda estrangeira para manter a taxa de câmbio estável.

Quais são os instrumentos de Política Monetária?

Os instrumentos de Política Monetária são ferramentas utilizadas pelo Banco Central para alcançar seus objetivos de estabilidade de preços, estabilidade financeira e crescimento econômico. Alguns dos principais instrumentos de incluem:

  • Taxa de juros: é o principal instrumento. O Banco Central pode aumentar ou diminuir a taxa de juros para influenciar o custo do crédito e a demanda agregada.
  • Operações de mercado aberto: o Banco Central pode comprar ou vender títulos governamentais no mercado aberto para influenciar a oferta de dinheiro na economia. Quando o Banco Central compra títulos, a oferta de dinheiro aumenta e as taxas de juros caem. E quando ele vende títulos, a oferta de dinheiro diminui e as taxas de juros sobem.
Política Econômica
  • Depósito compulsório: o Banco Central pode exigir que os bancos comerciais mantenham uma certa quantidade de reservas em suas contas com ele. Ao aumentar ou diminuir o depósito compulsório, ele pode influenciar a oferta de dinheiro.
  • Empréstimo de última instância: o Banco Central pode emprestar dinheiro aos bancos comerciais em caso de emergência ou para atender a necessidades de liquidez. Ao estabelecer a taxa de juros do empréstimo de última instância, o Banco Central pode influenciar as taxas de juros de curto prazo.

Esses instrumentos podem ser utilizados em conjunto ou separadamente para atingir os objetivos de do Banco Central.

Quem coordena a Política Monetária?

A Política Monetária é geralmente coordenada pelos bancos centrais dos países, como é o caso do Brasil, em que ele é encarregado de definir e implementar a Política. Em muitos países, o Banco Central é uma instituição independente do governo.

Banco Central

Qual a diferença entre Política Fiscal e Política Monetária?

Política Fiscal e Política Monetária são duas ferramentas usadas pelos governos para gerenciar a economia de um país, mas elas têm objetivos e instrumentos diferentes.

A Política Fiscal se refere às decisões do governo sobre seus gastos e receitas. Em outras palavras, é a maneira como o governo arrecada e gasta dinheiro. Ela é usada para influenciar a demanda agregada e a atividade econômica. O governo pode aumentar seus gastos, reduzir impostos ou ambos para estimular a economia. Por outro lado, o governo pode reduzir seus gastos ou aumentar impostos para reduzir a demanda e evitar o superaquecimento da economia.

Já a Política Monetária refere-se às ações do Banco Central para controlar a oferta de moeda e as taxas de juros na economia. Ela é usada para influenciar a oferta de crédito e a atividade econômica. O Banco Central pode aumentar ou diminuir a oferta de moeda por meio da compra ou venda de títulos, o que afeta as taxas de juros. Taxas de juros mais baixas incentivam o consumo e o investimento, enquanto taxas de juros mais altas desencorajam o consumo e o investimento.

Em resumo, a Política Fiscal é mais voltada para as decisões do governo sobre seus gastos e receitas, enquanto a Política Monetária é mais voltada para as decisões do Banco Central sobre a oferta de moeda e as taxas de juros. Ambas as políticas são usadas para atingir objetivos econômicos, como o controle da inflação, o estímulo ao crescimento e a estabilização do ciclo econômico.

Política Fiscal

Conclusão

Entende-se agora por que a Política Monetária é tão fundamental para a economia do país. Sem ela para controlar, o aumento das taxas, dos juros e o descontrole dos orçamentos, pode provocar um verdadeiro caos na economia de um país.

Por isso, é fundamental acompanhar a direção que o dinheiro toma, não somente para saber como a economia pode afetar a nossa vida, mas também para descobrir qual tipo de investimento é mais vantajoso no período. Inclusive, esses valores também mostram quando é melhor renegociar uma dívida, e assim, colocar a própria vida financeira em ordem.

O que você achou?

Toque nas estrelas para deixar sua avaliação!

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 6

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Gostou do Artigo? Compartilhe!

Entender o que é PIB é essencial para saber como a economia do país funciona e como as decisões políticas podem afetar a sua vida.
Pare de viver no vermelho. Descubra como quitar dívidas com dicas práticas e eficientes, e como retomar o controle da sua vida financeira.
Você tem uma ideia de negócio? Não sabe por onde começar? Não se preocupe! Veja como começar um negócio em 8 passos simples e eficazes
Informações claras e práticas sobre tudo o que você precisa saber para começar a investir em ações com segurança.
error: O conteúdo está protegido!!